O que importa são os sonhos.









Relaxando hoje, tomando um bom uísque, degustando um puro e lendo um bom romance, resolvi postar um diálogo do livro "A agenda do velho comunista". Traz um pouco do que devíamos manter acessos em nossos corações:

"Há muito tempo que ouço uma máxima. História triste, de homem, de macho, de hombridade: ninguém pensa em lavar mancha de tinta com tinta; mancha de óleo com óleo; mas mancha de sangue tem que ser lavada com sangue! Camarada, é por não acreditar nesse conceito retrógrado que sou comunista. Há que dar um basta à barbárie. O socialismo não é incompatível com democracia, ternura, amor. É antes sua expressão maior. Estás confundindo democracia com cleptocracia que se instalou no Brasil. Não, o destino da humanidade suplanta os sentimentos mesquinhos de vingança.
Está fora de cogitação um comunista fazer qualquer tipo de discriminação, quer seja de raça, etnia e até mesmo religião, o ópio do povo, como dizia o camarada Marx. Há pessoas que se tornam revolucionárias por ódio, revolta de tanta iniquidade, mas não vale ser comunista por isso. Até socialista. Quero te confessar que o paredón, o fuzilamento, ou mesmo o julgamento sumário, sempre me repugnaram. Mesmo em tempos de guerra. Mas tua revolta com o que te aconteceu é compreensível. Um pouco menos para ti que tiveste a oportunidade de estudar e conviver com uma filosofia diferente. Aliás, uma ideologia, o que é outra coisa.

Houve deturpações, como se viu, mas a princípio é sempre o bem. Quando chamas de bandidos, crianças de dez, doze, quinze ou dezesseis anos, por um momento te desconheço. Se eles portam uma arma, roubam ou matam, não invalidam a tese primária: ninguém nasce bandido. Todo mundo nasce criança e criança branca, preta, amarela, azul, vermelha, rica, pobre é apenas criança. O que está errado é o mundo que damos a elas. As pobres – não muitas, é claro – vão assaltar o público. Se ricas – também não muitas – assaltam a “coisa pública”. São corruptos e corruptores. Estes produzem aqueles. Com estes tu convives muito bem. Aqueles te causam asco.

Mudar o mundo é responsabilidade de gente como nós. Quando? É irrelevante. Uma geração, dez, vinte? Não importa. O que importa é o sonho e, como dizia Cervantes, os sonhos existem. Eu, pelo menos não saberia viver sem eles."

Vou buscar meus sonhos, ou pelo menos, criar coragem de não esquecê-los!

Comentários

  1. Sem comentários...

    ResponderExcluir
  2. Caríssimo Jorge,

    Hoje, pesquisando não sei o que, tropecei no teu blog. Gostei muito. Embora um mundão de tempo separe nossas idades vejo que um tantão de coisas encurtam essa distância meramente cronológica, como o bom gosto, o bem, o bom e o amor pela humanidade.

    Como vês, sou escritor, paraense e moro, literalmente na beira de um rio que nasce no meu quintal. Coisas de Amazônia.

    Tenho um restaurante rural para ir escapando, pois no Brasil, só quem vive de literatura(?) é o Paulo Coelho e o pessoal da auto-ajuda.
    Agradeço-te por postares um excerto do meu livro "A agenda do velho comunista".

    Apesar de haver recentemente passado dos setenta, curto a vida, a natureza e as gentes. Decidi que não vou ficar velho. Minha idade será sempre a do meu neto mais novo.
    Tenho um site, www.terradomeio.com.br , um blog, tipoassimfolhetim.wordpress.com ,facebook, twiter, orkut e o que mais aparecer.

    Onheço a tua Paulista, se for a que fica perto de Recife.

    Tenho um grande amigo em Olinda. É pintor. dos melhores do mundo! pegamos porres memoráveis. Aqui e aí. Chama-se João Câmara.

    Vou te seguir,

    Um abraço,

    andre costa nunes

    Em tempo: Essa joça rejeitou minha tal de URL. Vai como anônimo.
    andre

    ResponderExcluir

Postar um comentário