Pular para o conteúdo principal

Metade

Repasso poesia de Ferreira Gullar que recebi de uma amiga. Muito legal.


Que a força do medo que eu tenho,
não me impeça de ver o que anseio.

Que a morte de tudo o que acredito
não me tape os ouvidos e a boca.

Porque metade de mim é o que eu grito,
mas a outra metade é silêncio…

Que a música que eu ouço ao longe,
seja linda, ainda que triste…

Que a mulher que eu amo
seja para sempre amada
mesmo que distante.

Porque metade de mim é partida,
mas a outra metade é saudade.

Que as palavras que eu falo
não sejam ouvidas como prece
e nem repetidas com fervor,
apenas respeitadas,
como a única coisa que resta
a um homem inundado de sentimentos.

Porque metade de mim é o que ouço,
mas a outra metade é o que calo.

Que essa minha vontade de ir embora
se transforme na calma e na paz
que eu mereço.

E que essa tensão
que me corrói por dentro
seja um dia recompensada.

Porque metade de mim é o que eu penso,
mas a outra metade é um vulcão.

Que o medo da solidão se afaste
e que o convívio comigo mesmo
se torne ao menos suportável.

Que o espelho reflita em meu rosto,
um doce sorriso,
que me lembro ter dado na infância.

Porque metade de mim
é a lembrança do que fui,
a outra metade eu não sei.

Que não seja preciso
mais do que uma simples alegria
para me fazer aquietar o espírito.

E que o teu silêncio
me fale cada vez mais.

Porque metade de mim
é abrigo, mas a outra metade é cansaço.

Que a arte nos aponte uma resposta,
mesmo que ela não saiba.

E que ninguém a tente complicar
porque é preciso simplicidade
para fazê-la florescer.


Porque metade de mim é platéia
e a outra metade é canção.

E que a minha loucura seja perdoada.

Porque metade de mim é amor,
e a outra metade…
também


FERREIRA GULLAR

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Zé Amaro

Um grande amigo faleceu ontem, aliás mais que amigo, um companheiro que herdei das relações dos meus pais, e que soubemos nos cativar. Mais que qualquer rótulo, seja do sociólogo, do perseguido político, do alvirrubro, socialista, Zé foi uma das referências pra minha geração, aqui em minha paróquia. 

Nossas conversas sempre giravam em torno do bem maior, da construção de uma cidade, de uma sociedade melhor. Tivemos grandes discussões, mas sempre deixamos as divergências e discussões em segundo plano. O que nos movia e unia era bem maior que quaisquer diferenças. Segue em paz Zé, que aqui a gente vai continuar tua luta.


Zé Amaro - O "Baixo"

Teu nome sugere um passado de lutas.
Teus amigos demonstram um futuro de saudade,
Quem foste tu? Bravo soldado! Velho infante!
Sei que foste importante, porque foste e viveste a história.
Teu semblante refletia cicatrizes
De um passado de conflitos,
De uma juventude que se fez importante.

Teus ideais...
...alguns já calaram, outros vingaram
mas todos …

Entre o id, o ego e o super ego

Nosso blog diálogo de roda tem um caráter de falar sobre nada e tudo ao mesmo tempo agora. Portanto, depois de quase um mês de uma discussão no trabalho, prometi escrever algo sobre como estão estruturadas as nossas personalidades, segundo Freud. Ou seja, falar sobre ID, EGO e SUPEREGO.

Lembro que na época da faculdade, pagando uma das cadeiras de psicologia, procurei uma forma para melhor entender essas estruturas e criei uma historinha.

Imaginem e se coloquem em cena: é terça-feira, 18 horas. Saindo do trabalho, morto de vontade de chegar em casa e relaxar. Pego o elevador, nele estão um senhor, autoritário, arrogante, puritano, um autentico conservador e uma bela mulher, loira (é melhor acabar com essa fixação por loiras, posso ser processado por discriminar as morenas, negras e ruivas e ainda tem a minha morena jambo que pediu pra escrever sobre ela) por volta dos 30 anos (pelo menos aparenta), linda, com um sorriso encantador, olhar sensual...

... mas continuando, o elevador pára…