Pular para o conteúdo principal

A salvação pela política

Um amigo me mandou:  "Só a política, a  boa política, pode resolver a crise. Se não ocorrer isso, a crise terá uma solução pior". Reproduzo o artigo abaixo:

A política pode ter várias definições. Uma delas é a que a descreve como o exercício do poder para a resolução de conflitos no interesse de uma coletividade. Sem um fim, a política como conceito não se justifica. Como processo, serve para tudo, até para derrubar o poder constituído. Não é o caso abordado neste texto.


Voltando um passo atrás, o que se espera da política é que ela seja não somente a expressão de um ordenamento constitucional posto em vigor pela vontade da maioria do povo, mas também o instrumento para a resolução de crises, dos impasses que afligem uma dada sociedade. No caso, a nossa, a brasileira.


O Brasil, por sua pouca relevância geopolítica, foi poupado dos grandes conflitos mundiais. Em contrapartida, não deixamos de criar problemas para nós mesmos. A crise que nos assola não tem raízes externas, é um produto majoritariamente nacional. O conteúdo local de nossa crise ultrapassa os 90% do total. Nossas decisões nos levaram à presente situação, e isso está claro para todos. Mas poucos em Brasília querem aceitar tal realidade.


O tamanho da crise não deve ser medido pela intensidade das manchetes, e sim pela frieza dos números. Apresentamos hoje o maior desemprego em anos e também a maior população desocupada. Fechamos postos de trabalho em número igual ao que precisaríamos gerar. Ou seja: 1,5 milhão de trabalhadores perderam emprego e outro tanto não conseguiu se encaixar no mercado. Mais ou menos, isso quer dizer que começamos o ano com 3 milhões de desempregados a mais do que em 2014.


A inflação de 2015, medida pelo governo, ficou em 10,67%, a maior desde 2002. O prognóstico para 2016 é igualmente tenebroso, ainda que possa ficar abaixo dos índices de 2015. Em meados de janeiro o dólar batia inacreditáveis R$ 4,17, num país que tem mais de US$ 370 bilhões em reservas. O que significa que nossas reservas são insuficientes para dar tranquilidade ao mercado, aos investidores e à economia em geral.


Temos, obviamente, um grave déficit de credibilidade, o que é muito mais importante do que o déficit fiscal das contas públicas. Afinal, países como EUA, Japão e Itália, por exemplo, têm um déficit fiscal muito pior que o nosso. Mas contam com a confiança dos mercados e dos investidores. É aí que reside o nosso problema: credibilidade. O que fazer?


A solução está na política. A política salva e destrói os países. Impulsiona os destinos de uma nação para a glória ou para o buraco. Apenas, e tão somente, pela política conseguiremos desenhar saídas para a nossa crise. E em sendo assim, que fazer? O diagnóstico é simples, difícil é implementá-lo. É como o obeso que trava uma luta contra a balança: não lhe falta convicção, e sim energia para adotar medidas que contrariem o que sempre lhe foi caro na vida. É o nosso caso.


Examinando os blocos de poder no País, temos graves problemas. A sociedade civil está apática. Desaprova a situação política, mas não se envolve. Os políticos comprometidos na investigação da Operação Lava Jato jogam para salvar a própria pele. Nada mais. O governo opta por buscar resguardar seus interesses imediatos. O empresariado tampouco apresenta agendas nem se mobiliza. São respostas insuficientes para o momento. Na situação em que estamos, nem o governo do segundo mandato da presidente Dilma Rousseff começou nem a crise foi seriamente atacada. Na prática, a crise paralisa todos. Os rumos são dados pela crise, porém não num sentido que vise à saída.


E qual a saída? A política. A política deve presidir o momento. Não a política rasteira dos interesses pequenos, mas a política dos interesses nacionais, sempre esquecidos. A política, e somente ela, é capaz de reduzir o déficit de credibilidade que nos maltrata. Apenas com a sua recomposição sairemos desta crise. Depende de nós. Apenas de nós.


Como restabelecer a credibilidade perdida? Estabelecendo o diagnóstico do problema e das medidas a serem implementadas. Uma agenda mínima de salvação nacional deve ser posta acima dos interesses partidários e particulares. A presidente da República deve pedir apoio à oposição e construir a maioria para a nova plataforma. Deve, também, sacrificar os interesses de seu grupo político para salvar o País. É o que lhe resta.


Independentemente do debate sobre o impeachment, que vai e vem, governo e oposição devem acordar em torno de uma pauta que aponte em direção ao futuro. E o futuro exige maior credibilidade fiscal, controle da inflação, melhor ambiente para negócios, mais emprego e melhores serviços públicos. Qualquer governo que não se comprometa com essa agenda não serve para o País.


Uma saída eminentemente política pressupõe diálogo. Nunca este governo buscou o diálogo. Nem sequer dentro da própria base política. Agora, com Jaques Wagner à frente da Casa Civil, melhora o perfil e tenta-se um caminho. Mas o governo deve ousar mais. Reconhecer os fracassos e ter a humildade de ir atrás da reconstrução por meio de amplo diálogo. Soluções autônomas não funcionaram. O Brasil de hoje vive a ampla pluralidade no exercício do poder. O Executivo já não manda sozinho. O caminho é a boa política, que, em épocas de crise, deve ser, obviamente, plural.


Winston Churchill, quando chamado a liderar o Reino Unido contra os nazistas, em 1940, impôs a existência de uma coalizão multipartidária de apoio. Foi assim que o maior estadista do século passado liderou o mundo livre na 2.ª Guerra Mundial, juntamente com o americano Franklin Roosevelt. Considerando o tamanho de nossos problemas econômicos e sociais, o déficit de credibilidade fiscal e econômica e, ainda um quadro social agravado por epidemias de dengue e zika, enfrentamos um dos momentos mais graves em nossa História. Somente com grandeza e desprendimento poderemos superá-la.


* MURILLO DE ARAGÃO É ADVOGADO E JORNALISTA, MESTRE EM CIÊNCIA POLÍTICA E DOUTOR EM SOCIOLOGIA PELA UN

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Zé Amaro

Um grande amigo faleceu ontem, aliás mais que amigo, um companheiro que herdei das relações dos meus pais, e que soubemos nos cativar. Mais que qualquer rótulo, seja do sociólogo, do perseguido político, do alvirrubro, socialista, Zé foi uma das referências pra minha geração, aqui em minha paróquia. 

Nossas conversas sempre giravam em torno do bem maior, da construção de uma cidade, de uma sociedade melhor. Tivemos grandes discussões, mas sempre deixamos as divergências e discussões em segundo plano. O que nos movia e unia era bem maior que quaisquer diferenças. Segue em paz Zé, que aqui a gente vai continuar tua luta.


Zé Amaro - O "Baixo"

Teu nome sugere um passado de lutas.
Teus amigos demonstram um futuro de saudade,
Quem foste tu? Bravo soldado! Velho infante!
Sei que foste importante, porque foste e viveste a história.
Teu semblante refletia cicatrizes
De um passado de conflitos,
De uma juventude que se fez importante.

Teus ideais...
...alguns já calaram, outros vingaram
mas todos …

Entre o id, o ego e o super ego

Nosso blog diálogo de roda tem um caráter de falar sobre nada e tudo ao mesmo tempo agora. Portanto, depois de quase um mês de uma discussão no trabalho, prometi escrever algo sobre como estão estruturadas as nossas personalidades, segundo Freud. Ou seja, falar sobre ID, EGO e SUPEREGO.

Lembro que na época da faculdade, pagando uma das cadeiras de psicologia, procurei uma forma para melhor entender essas estruturas e criei uma historinha.

Imaginem e se coloquem em cena: é terça-feira, 18 horas. Saindo do trabalho, morto de vontade de chegar em casa e relaxar. Pego o elevador, nele estão um senhor, autoritário, arrogante, puritano, um autentico conservador e uma bela mulher, loira (é melhor acabar com essa fixação por loiras, posso ser processado por discriminar as morenas, negras e ruivas e ainda tem a minha morena jambo que pediu pra escrever sobre ela) por volta dos 30 anos (pelo menos aparenta), linda, com um sorriso encantador, olhar sensual...

... mas continuando, o elevador pára…