Pular para o conteúdo principal

O carnaval e Dom Helder

Carnaval chegou de vez em Pernambuco. Faz parte da nossa tradição, do nosso dia-a-dia: o sangue ferver, a vontade de acompanhar blocos, troças e agremiações cresce e a gente não vê a hora de ir pra rua.

Interessante que até Dom Helder Câmara, com a sabedoria peculiar nata, discorreu no dia 1º de fevereiro de 1975, em sua  crônica "Um olhar sobre a cidade", transmitida diariamente pela Rádio Olinda AM, uma tradução da beleza de nossos carnavais:

Segue o texto:


"Carnaval é a alegria popular. Direi mesmo, uma das raras alegrias que ainda sobram para a minha gente querida.


Peca-se muito no carnaval? Não sei o que pesa mais diante de Deus: se excessos, aqui e ali, cometidos por foliões, ou farisaísmo e falta de caridade por parte de quem se julga melhor e mais santo por não brincar o carnaval. Estive recordando sambas e frevos, do disco do Baile da Saudade: ô jardineira por que estas tão triste? Mas o que foi que aconteceu....Tú és muito mais bonita que a camélia que morreu...

Brinque meu povo querido! Minha gente queridíssima. É verdade que quarta-feira a luta recomeça. Mas, ao menos, se pôs um pouco de sonho na realidade dura da vida!"

Enviado pelo meu Windows Phone

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Zé Amaro

Um grande amigo faleceu ontem, aliás mais que amigo, um companheiro que herdei das relações dos meus pais, e que soubemos nos cativar. Mais que qualquer rótulo, seja do sociólogo, do perseguido político, do alvirrubro, socialista, Zé foi uma das referências pra minha geração, aqui em minha paróquia. 

Nossas conversas sempre giravam em torno do bem maior, da construção de uma cidade, de uma sociedade melhor. Tivemos grandes discussões, mas sempre deixamos as divergências e discussões em segundo plano. O que nos movia e unia era bem maior que quaisquer diferenças. Segue em paz Zé, que aqui a gente vai continuar tua luta.


Zé Amaro - O "Baixo"

Teu nome sugere um passado de lutas.
Teus amigos demonstram um futuro de saudade,
Quem foste tu? Bravo soldado! Velho infante!
Sei que foste importante, porque foste e viveste a história.
Teu semblante refletia cicatrizes
De um passado de conflitos,
De uma juventude que se fez importante.

Teus ideais...
...alguns já calaram, outros vingaram
mas todos …

Entre o id, o ego e o super ego

Nosso blog diálogo de roda tem um caráter de falar sobre nada e tudo ao mesmo tempo agora. Portanto, depois de quase um mês de uma discussão no trabalho, prometi escrever algo sobre como estão estruturadas as nossas personalidades, segundo Freud. Ou seja, falar sobre ID, EGO e SUPEREGO.

Lembro que na época da faculdade, pagando uma das cadeiras de psicologia, procurei uma forma para melhor entender essas estruturas e criei uma historinha.

Imaginem e se coloquem em cena: é terça-feira, 18 horas. Saindo do trabalho, morto de vontade de chegar em casa e relaxar. Pego o elevador, nele estão um senhor, autoritário, arrogante, puritano, um autentico conservador e uma bela mulher, loira (é melhor acabar com essa fixação por loiras, posso ser processado por discriminar as morenas, negras e ruivas e ainda tem a minha morena jambo que pediu pra escrever sobre ela) por volta dos 30 anos (pelo menos aparenta), linda, com um sorriso encantador, olhar sensual...

... mas continuando, o elevador pára…